Exposições
.
38º 21'N 07º 24'O Castelo da Lousa
Parceria com o PO.RO.S. Museu Portugal Romano em Sicó
Exposição Temporária Itinerante
Condeixa-a-Nova
29 de outubro de 2020 a 31 de maio de 2021
-

Uma série de discursos expositivos são colocados em paralelo, criando leituras complementares, a partir de vários suportes de comunicação como o desenho, a maqueta, a fotografia, o texto, os objetos, a imagem vídeo, a escultura e o próprio espaço do museu.

Uma série de discursos expositivos são colocados em paralelo, criando leituras complementares, a partir de vários suportes de comunicação como o desenho, a maqueta, a fotografia, o texto, os objetos, a imagem vídeo, a escultura e o próprio espaço do museu.

"A identificação do lugar do castelo da lousa é hoje possível apenas a partir das suas coordenadas geográficas, 38º 21′ Norte 07º 24′ Oeste. A precisão da sua localização remete-nos para uma singularidade geológica, topográfica e arquitetónica, que se desenhou, durante milhares de anos, com o curso do rio Guadiana. Entre estratégia, necessidade ou oportunidade, a construção do que foi o lugar do castelo da lousa faz-se, hoje, a partir do imaginário da sua fundação romana, até às múltiplas dimensões que a sua ruína evoca. Dois mil anos de presença neste território, deixam uma profunda impressão identitária sobre a sua cultura material e imaterial. A submersão do castelo da lousa e a impossibilidade de um contacto direto com o lugar, leva-nos a uma leitura mais focada sobre a documentação resultante de vários registos captados ao longo do tempo e à urgência em fixar as memórias que ainda habitam quem vivenciou e sentiu o carácter deste lugar e dos percursos que a partir dele se geravam. É este espectro de múltiplas relações convocadas por este monumento que esta exposição procura evidenciar, através de um trabalho multidisciplinar de identificação, registo, interpretação, memória e debate.
O processo de preparação desta exposição constitui igualmente a possibilidade de reunir no museu registos vários até agora dispersos, criando uma importante base documental. Uma série de discursos expositivos são colocados em paralelo, criando leituras complementares, a partir de vários suportes de comunicação como o desenho, a maqueta, a fotografia, o texto, os objetos, a imagem vídeo, a escultura e o próprio espaço do museu, onde o visitante é convidado a estabelecer relações e a formar a sua própria leitura do lugar do castelo da Lousa."

Pedro Pacheco, curador